Grupo Conviva

A nutrição como aliada no processo do envelhecimento

prato repleto de alimentos que proporcionam nutrição

Embora envelhecer seja um processo natural, diversas alterações fisiológicas e anatômicas podem ocorrer nesta fase, levando o idoso a um comprometimento significativo de sua saúde e de seu estado nutricional. São mudanças simples, muitas vezes progressivas, como a diminuição do paladar, a dificuldade em mastigar alimentos sólidos por alterações na dentição, alterações no processo metabólico do organismo, o uso de diversos medicamentos que podem interferir na absorção dos nutrientes, alterações no processo digestivo, entre outros fatores que irão refletir na aceitação, digestão e absorção dos alimentos e seus nutrientes. 

Porém, a dificuldade em alimentar-se vai além das citadas acima, podendo ser ressaltada também a questão sócio econômica. O idoso que vive sozinho torna-se o responsável pela escolha e preparo de seus alimentos, e estas escolhas nem sempre são as mais adequadas. Além disso, o fator social é de grande interferência, uma vez que o isolamento e a falta de companhia no momento das refeições, faz com que o idoso nem sempre se sinta estimulado a alimentar-se de forma correta, e assim as preparações preferidas são aquelas mais fáceis, rápidas e de baixo custo, levando muitas vezes a um alto consumo de carboidratos, sódio e açúcar.

As consequências de uma nutrição inadequada nesta fase da vida podem acarretar diversos prejuízos a saúde desse indivíduo, desde carência de vitaminas e minerais, até um processo mais severo de sarcopenia (perda de massa muscular), comprometendo sua autonomia para as atividades básicas de vida diária, como caminhar, realizar sua higiene pessoal e alimentar-se sozinho. A obesidade também tem sido observada pelos pesquisadores nas últimas décadas em uma parcela significativa da população idosa do Brasil.

Dessa forma, alguns cuidados na rotina diária dos idosos poderão auxiliá-lo no processo de nutrição. São eles:

  • Servir as refeições em local agradável e tranquilo;
  • Sentar o idoso confortavelmente à mesa, e de preferência, em companhia de outras pessoas (familiares, amigos etc);
  • Ter uma rotina de horário para as refeições;
  • Oferecer pratos variados, coloridos e atrativos;
  • Utilizar temperos naturais, evitando o uso exagerado do sal;
  • Estar atento às possíveis dificuldades motoras ou de deglutição, adaptando a consistência; dos alimentos e os utensílios às necessidades do indivíduo;
  • Fazer da refeição um momento prazeroso;
  • Alimentar-se a cada três horas.

 

Márcia Cerqueira Boteon – nutricionista

 

Sobre o Autor Ver todos os posts

Grupo Conviva

Grupo Conviva

Um espaço humanizado para o idoso. Um novo conceito no cuidado para o idoso. Com espaço situado em uma área verde de 5 mil m², em Indaiatuba, ele aproxima as pessoas da natureza, oferecendo qualidade de vida através de estímulos, trocas de experiências, socialização e convivência em grupo.

2 ComentáriosDeixe o seu comentário

  • Eu e minha mãe moramos no mesmo terreno, eu na casa do fundo, com meu filho e ela na frente com minha irmã. Somos muito parecidas na aparência e, também no gênio forte, se é que me entendem. Ela não aceita praticamente nada que eu sugira pra rotina dela, por exemplo, sempre faz suas refeições sozinha e só come o que lhe convém. Ela tem prótese dentária, mas prefere comer sem o auxílio dela. Raramente a vejo se alimentando com saladas cruas, apenas verduras e legumes muito bem cozidos, para facilitar a mastigação. Adora um virado de feijão com farinha de mandioca! A alimentação dela é bem “seca”! Mesmo as sopas que ela cozinha, não se vê o caldo! Ela tem prisão de ventre, hemorróidas e vive com dor de estômago e barriga! E também, as refeições na casa dela, geralmente, não são tranquilas. Minha irmã, que também tem personalidade forte, trabalha fora durante o dia (eu trabalho durante a noite) e vem pra almoçar sempre trazendo discussões do dia a dia dela no serviço ou então, problemas pessoais dela com meu sobrinho ou com o namorado dela! Eu e ela nunca nos demos muito bem, desde crianças, sempre houve atritos e muito distanciamento. Minha mãe, muitas vezes me procura pra desabafar suas preocupações com minha irmã e meu sobrinho, talvez por meu jeito introspectivo, inclusive nos horários que preciso descansar durante o dia pra conseguir trabalhar disposta durante a madrugada. Muitas vezes a minha introspecção se transforma em chateação e bate-bocas, tanto com ela quanto com minha irmã. O que vocês me aconselham?

    • Olá, Elaine. Agradecemos o seu contato e entendemos que este tipo de questão é bastante complexa. Recomendamos que continue se informando através do nosso blog, mas que também procure ajuda de profissionais especializados como psicólogos, nutricionistas e fonoaudiólogos. Conte com a gente! Atenciosamente, Equipe Conviva.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados *